CASOS CLÍNICOS

RELAÇÃO COM A MÃE
Resumo de sessão Transgeracional de Grupo (14/05/2014)

Queixa principal: “A relação com minha mãe é muito difícil; brigamos constantemente e parece que ela está sempre com raiva de mim.”

Médica: Convide uma pessoa para representar você (F) e outra para sua mãe (M). Imediatamente a representante da mãe (M) toma uma expressão de raiva, olhando através da filha (F); seu corpo se move como se estivesse sendo puxada para trás. A filha se mostra assustada e rígida.

Médica para M: Dê um passo para trás. Onde você está? (M): Num campo de batalha; sou o comandante e muitos soldados estão mortos. Olha para um soldado: - Aquele bastardo!!!

Médica para M: Qual a sua relação com o jovem soldado? (M): Ele é filho de meu pai com a segunda mulher; minha mãe morreu quando eu era pequeno. Ele é o preferido! Farei tudo para destruí-lo!

Médica para M: Então, o que você fez? (M): Planejei uma emboscada! O mandei para a linha de frente! E ele morreu!!!

Médica para M: E o que aconteceu aos outros? (M): Também morreram! Todos morreram! Inclusive eu! ... Só agora percebi!

Médica para M: Sua raiva levou todos, inclusive você, à morte. Olhe com atenção para todos. Inclua seu pai e a segunda mulher. O Comandante para de lutar e olha a volta. Passa-se um tempo. Aos poucos dse dá conta de seu desmedido ciúme. Olha para a tropa, para o pai e para o meio-irmão. (M): Sinto muito. Por favor me perdoem.

Médica: Todos podem se dar conta de que esta vida acabou, e seguir para o mundo espiritual - inclusive você, comandante. Todos seguem na direção da clara luz. A representante da mãe (M) volta a seu lugar. Agora seu corpo está firme. Sente-se calma e relaxada. Seus olhos olham para a filha e sente amor por ela.

Médica para M: Diga: eu não estava muito presente; mas agora estou aqui. A filha se aproxima da mãe e ambas se abraçam.

Médica para a cliente: Como se sente agora?

Cliente: Mais calma e querendo acreditar que pode ser diferente.

Médica para a cliente: Observe e se observe. Hoje paramos aqui.

 

 

© 2016 DRA. LAÍS DE SIQUEIRA BERTOCHE. Todos os direitos reservados