RESUMO DE CASO TRATADO PELA TERAPIA TRANSGERACIONAL

Manhã de domingo. Wanda sentada à mesa da cozinha engolia distraída mais um pedaço de pão. Embora tomasse café, não saberia dizer se estava quente ou frio... uma lágrima teimosa voltou a rolar dos olhos: “aconteceu de novo...” – Gostava de Carlos, mas na hora que a intimidade crescia, ela ficava apavorada e só pensava em fugir.

Teve uma infância comum: pais separados, mas nada de mais significativo. O problema surgiu logo na adolescência: tinha medo da aproximação dos meninos; sempre com a sensação de que lhe fariam mal. Na presença de homens adultos se sentia muito confusa e amedrontada. Não sabia mais o que fazer.

Seu ginecologista havia prescrito um ansiolitico (que não alterou os sintomas), orientando-a para uma psicoterapia convencional. Com esse tratamento, conseguiu chegar perto dos homens, mas não o suficiente para relações mais profundas.

Numa conversa com uma amiga, soube de bons resultados obtidos pela Regressão de Memória. Quem sabe encontraria aí alguma ajuda?

Chega ao meu consultório meio encabulada e relata sua história com dificuldade. Lembra um sonho recorrente, em que é perseguida por um homem. Convido Wanda a buscar uma posição mais confortável. Afirmo que permanecerá consciente durante todo o processo. Explico que nosso EU profundo é Ator de vários dramas, criando para cada nova existência um personagem distinto.

Seguindo minhas orientações, logo se vê como uma camponesa de vestes simples, correndo num campo, perseguida por um homem a cavalo, que a alcança. É agredida e violentada, morrendo em seguida.

Essa cena é cuidadosamente trabalhada, até que a jovem daquela história sente-se livre e pronta para abandonar aquele corpo – morrer e deixar aquela vida para trás. Ambas entendem que aquele drama já acabou e que hoje está vivendo outra história, outro papel.

Para completar o processo terapêutico, é necessário localizar e liberar os bloqueios traumáticos, identificados por Wanda na região do baixo ventre, boca e garganta.

Já se sentindo aliviada e tranquila, sugiro que mergulhe nas causas do sofrimento: para quê e quais as consequências desse evento? Esse entendimento libera o personagem atual para viver o presente e ser dono de sua própria história.

Wanda hoje vive sua sexualidade com liberdade. Gosta de estar junto, sabe dar e receber carinho. Sente-se serena e em paz com seu corpo. Percebe que o grande ingrediente da vida é o amor e que o encontro sexual é uma das maneiras de expressá-lo. - Os anos de prática clinica me trouxeram a certeza de que todos querem ser bons e fazer a coisa certa, embora sem sempre isso seja possível. Emoções como medo, raiva, desejos e aversões exacerbados, impedem uma percepção lucida da vida e do viver, turvando a consciência das pessoas. Estou certa de que NÃO EXISTE ACASO. As circunstâncias e fatos experimentados são aqueles com os quais entramos em sintonia vibratória. Não se faz o que se quer, mas o que se pode. A mudança só acontece a partir do entendimento e da vontade consciente. Dai a importância do autoconhecimento. (Os nomes e detalhes desta história são fictícios).

© 2016 DRA. LAÍS DE SIQUEIRA BERTOCHE. Todos os direitos reservados